Category

CRM e Vendas

Category

O consumidor atual, mais exigente e atento ao mercado e ações das empresas, demanda uma postura diferente para fechar negócios. Com o avanço das tecnologias, novos conceitos surgiram para otimizar o relacionamento. O Vendarketing, por exemplo, alinha vendas e marketing, gerando colaboração. Porém, será que seu departamento comercial está atualizado? O Inside Sales pode ser o upgrade necessário.

Insistir em técnicas de vendas agressivas — aquelas em que o vendedor tenta empurrar os produtos e serviços para qualquer lead — é ineficaz quando nos deparamos com pessoas que compram apenas o que desejam e quando querem.

Por isso, confira este artigo sobre Inside Sales e remodele sua estratégia para gerar mais resultados para a sua empresa e clientes mais felizes!

O que é Inside Sales?

Para explicar esse conceito, primeiramente falaremos do Inbound Sales, que é uma estratégia de vendas na qual o vendedor se posiciona como consultor do público-alvo. Assim, em vez de forçar uma venda, o objetivo central é conquistar o cliente, mesmo que não feche negócio. O Inside Sales é o vendedor consultivo, ou Inbound, que atua de dentro da empresa.

Dispense gastos com transporte e tempo dos seus melhores vendedores, que normalmente são direcionados a muitas reuniões para, talvez, fazer uma venda. Hoje os clientes estão interessados nos resultados que seus produtos ou serviços promoverão.

Por meio de interações por chats, telefonemas, e-mails e outras plataformas digitais, sua equipe pode entrar em contato com mais prospects e ainda aumentar as conversões.

Por que usar essa estratégia?

Talvez pareça contraditório trazer o departamento comercial para trabalhar de dentro da empresa com o objetivo de melhorar o relacionamento com os leads e aumentar as vendas. Acontece que hoje conseguimos um grande volume de informação nos meios digitais que, se integrado ao CRM (ferramentas para gerenciamento dos clientes), oferece informações para estabelecer um contato pessoal e eficiente.

Confira os principais benefícios de adotar o Inside Sales na sua empresa:

  • possibilitar o seu acesso aos dados coletados em tempo real;
  • acompanhar o desempenho de cada membro e de toda a equipe, motivando-a a bater as metas;
  • otimizar o compartilhamento de informações, criando um ambiente interno colaborativo;
  • proporcionar maior produtividade;
  • contatar potenciais clientes, independentemente da distância geográfica;
  • deixar o funil de vendas mais enxuto e proveitoso;
  • conseguir indicadores palpáveis, melhorando a tomada de decisão;
  • reduzir os custos das operações;
  • alcançar mais vendas e excelência nos resultados.

Quais são as diferenças entre Inside Sales e Outbound Sales?

Talvez uma boa analogia para ilustrar as distinções entre os dois modelos seja um pedido de casamento. Enquanto o Inside Sales faz o caminho de conhecer e se apresentar para a pretendente, gerando conexões e empatia, para só depois fazer o pedido, o Outbound seria aquele que aborda a pessoa na rua com o anel na mão.

Provavelmente você já recebeu ligações de telemarketing que carregavam outra característica do Outbound Sales: a agressividade. O vendedor, apesar de seguir o script, tenta concluir a venda a todo custo. Já no Inside Sales, o vendedor precisa conhecer muito bem a persona ou público-alvo da empresa, entendendo quais são suas dores e aspirações.

Além disso, ele precisa conhecer a empresa de forma abrangente, sendo capaz de saber se o lead está realmente pronto para a compra e, dependendo da percepção, sugerir outra solução existente no mix de produtos e serviços de sua marca.

Como implementar a técnica de Inside Sales na minha empresa?

Depois de entender o conceito, os benefícios e as maiores diferenças entre os modelos de vendas, vamos à prática. Para saber se essa estratégia é a ideal para a sua empresa, os especialistas recomendam que o custo-benefício esteja de acordo com o ticket médio da venda.

Produtos muito baratos normalmente contam com uma amostra grátis ou atendimentos automatizados, como os chatbots, e se vendem sozinhos. Quando o valor é expressivo, o Inside Sales é recomendado; quando o investimento é alto, como no caso de carros e imóveis, sugere-se o Field Sales — vendas em campo —, mas com ações do Inside Sales em um modelo híbrido de vendas.

Crie um plano para a transição

Se sua empresa está em operação, provavelmente ela já conta com um plano de vendas. Nessa hora, não é possível parar os processos para implementar a nova mentalidade. Por isso, monte um projeto para gerenciar a mudança. PMBOK e SCRUM são duas metodologias que podem agilizar esse procedimento.

Defina o formato que será adotado e quais etapas acontecerão e coloque-as em uma linha do tempo, para facilitar a visualização de todos os envolvidos. Pesquise sobre a estrutura e ferramentas e estabeleça o orçamento que será usado para implementar seu novo modelo de vendas. Lembre-se de documentar todo o processo.

Trabalhe em conjunto com o pessoal do marketing

O Inside Sales requer uma conversa alinhada entre o setor comercial e a comunicação. Assim, o marketing fica responsável por gerar conteúdo relevante para atrair e educar os leads, enquanto as vendas recebem os prospects no estágio de consideração para o fechamento da compra. Elabore um SLA, que é um documento para combinar o papel de cada área.

Disponibilize estrutura e ferramentas adequadas

Já falamos sobre esse aspecto, mas agora vamos explicá-lo. O vendedor precisará de um ambiente onde ele possa se concentrar para atuar com excelência, afinal, não terá o contato olho no olho, nem o caloroso aperto de mãos. Ele também precisará de um telefone sempre disponível, uma boa internet, sistemas e computadores compatíveis com as atividades.

Treine, treine e treine mais um pouco sua nova equipe de Inside Sales

Sim, a metodologia pode até mudar, mas nada melhor para capacitar os vendedores do que a prática. Faça simulações de vendas, apresente as principais objeções, use situações-problema e compartilhe soluções que algum membro da equipe tenha conseguido. Os treinamentos engajam a equipe, fortalecem a cultura da empresa e transmitem segurança para os colaboradores.

Como você pôde conferir, o Inside Sales é uma ferramenta poderosa para otimizar vendas complexas, mas também já se tornou uma estratégia para outros formatos. Por reduzir custos, aumentar a produtividade e ainda melhorar a relação entre os times de marketing e vendas, essa é uma tendência que tem sido implementada em muitas empresas.

Se você perceber que esse é o momento certo para sua empresa fazer a transição para Inside Sales, não se esqueça de realizar a mudança aos poucos, capacitando e integrando o departamento comercial e de comunicação. Ofereça os recursos e tecnologias necessárias para que seus vendedores trabalhem com o mais alto desempenho e dê treinamentos dinâmicos, deixando o time mais seguro.

Aproveite a oportunidade para desenvolver um olhar inteligente sobre o seu negócio, atualizando-se com as soluções tecnológicas que o mercado pode oferecer para a sua empresa! Assine a nossa newsletter para conferir dicas e inovações.

#InsideSales #TurbinarVendas #Smarketing

Sua empresa tem a pretensão de lucrar mais sem estruturar seu processo de vendas? Erro à vista! O gestor precisa ter ciência da importância das métricas na hora de colocar o time comercial em ação. O processo precisa ser pensado desde a atração do consumidor até sua condução às etapas finais do pipeline.

Para entregar qualidade na prestação de serviços e desenvolver a relação afetiva entre os prospects e a marca, a equipe deve ser bem direcionada pela gestão. Mas como personalizar e solidificar as vendas? Reunimos as melhores dicas! Venha conferir!

O que é o processo de vendas?

A estruturação das vendas se refere às normativas definidas pela empresa, a fim de guiar o time em suas atividades comerciais, aumentando a eficiência dos colaboradores e a prospecção de clientes.

Pareceu complicado? A gente simplifica: o processo de vendas é um passo a passo. Ele servirá para alinhar todo o time responsável pelas vendagens, facilitando fechamentos de negócio e o alcance das metas.

Ainda hoje, infelizmente, muitas empresas não contam com uma boa estruturação no processo de vendas. Esse erro acomete até mesmo as grandes corporações — e não deve ser repetido no seu varejo! A falta de Norte nas ações de venda prejudica a rotina dos colaboradores, que acabam desperdiçando tempo útil com tarefas que poderiam ser resumidas ou automatizadas.

A situação é pior para as marcas que não contam com o respaldo da tecnologia. Perdida em tarefas analógicas, a equipe dessa organização gasta tempo que deveria ser investido em atividades estratégicas. Não caia nessa cilada!

Qual sua importância no varejo?

O primeiro passo foi dado e sua empresa já está ciente do que significa o processo de vendas. Mas qual a relevância dessa estratégia para o varejo?

Pense só: em uma organização em que não há um passo a passo bem definido, cada colaborador desempenhará sua função de uma maneira. Enquanto alguns apostam em vendas mais incisivas, outros podem achar que conhecer o perfil do cliente não é relevante.

Nesse cenário hipotético, em que cada vendedor trabalha de uma forma, os objetivos e metas da corporação passam despercebidos. A sensação do cliente é a de que a empresa é desorganizada — o que se comprova nos números, já que a lucratividade fica prejudicada se as vendas não estão modeladas.

Aaron Ross, guru de vendas e escritor, já mostrou objetivamente a importância de adotar a estratégia: estruturando os processos da Salesforce, em apenas alguns anos, o autor de Predictable Revenue conseguiu incríveis R$ 100 milhões em receita extra para a empresa.

Dar uma espinha dorsal para as ações comerciais permitirá que seu varejo crie um padrão organizacional, potencialize os talentos da equipe e entregue um resultado satisfatório para o cliente final, levando-o à tão desejada fidelização. Vale a pena, não é mesmo?

Como estruturar meu processo de vendas?

Fato é que um bom processo de vendas aumenta a saúde empresarial, independentemente do segmento que o adota. Adaptáveis, as métricas para as vendas devem condizer com o perfil do seu negócio e com os potenciais individuais dos colaboradores.

Especialmente no varejo, as vantagens da estruturação são inúmeras, indo da criação de um funil de vendas mais atraente à satisfação da equipe, que trabalha mais motivada. Aprenda a melhorar seu processo de vendas para aproveitar suas vantagens!

Cumpra a função do líder

Em muitos cases, o empreendedor que realiza a gestão do negócio consegue visualizar com clareza o processo de vendas. Para o gestor, já começa a surgir aí uma estruturação dos processos comerciais. Mas e o vendedor?

Na outra extremidade do processo, porém, o vendedor pode estar sem ciência da estrutura que a empresa pretende adotar em suas vendas. Por isso, não consegue aplicá-lo no cotidiano. Isso é um indicativo de que falta a figura de liderança.

Um líder não cabe apenas para motivar a equipe e mantê-la unida: ele é também o responsável por repassar informações necessárias ao desempenho das atividades dos setores. O líder deve se ocupar em divulgar para a equipe o prosseguimento que será dado às estratégias.

Além de estruturar o processo, ele deve demonstrá-lo no cotidiano para todo o time que é responsável pelas vendas.

Pesquise o cliente

Sem dominar o perfil do público-alvo se torna impossível obter o máximo desempenho nas vendas. A oferta de produtos, as mudanças no mix de mercadorias da loja e a própria precificação devem ser sustentadas pela demanda da persona que consome do seu varejo.

Invista em pesquisas para compreender os anseios e as características que modelam seu consumidor potencial. Esse é o momento de trabalhar em conjunto com o marketing, mostrando os traços definidores do cliente e permitindo que a equipe de vendas também trabalhe em prol da satisfação desse comprador final.

Estude a jornada de compras

A jornada de compras merece atenção especial da sua empresa. Ela se refere ao caminho que o consumidor percorre até fechar a compra. Conhecer a jornada que seu público-alvo percorre ajudará na estrutura do seu plano de vendas.

Não existe modelo fixo para a jornada de compras, já que cada segmento encontra suas particularidades. No entanto, ela geralmente se inicia na identificação de uma problemática apresentada pelo cliente e para a qual ele deseja solução.

É na resolução do problema que entra a equipe de vendas, oferecendo o produto ou serviço ideal para preencher a necessidade do consumidor.

Conte com a tecnologia

Em um cenário globalizado, os consumidores se tornam mais criteriosos e as relações comerciais exigem mais agilidade. O canal para estabilizar sua empresa e dá-la destaque é contar com a tecnologia.

Aplicando um software de automação, sua equipe de vendas fica livre para focar em atividades de cunho estratégico, em vez de gastar tempo com tarefas burocráticas, funções dispensáveis ou com o retrabalho — normalmente, gerado pelos erros de fator humano.

Um sistema permitirá guardar dados importantes com segurança, ter noção do histórico do relacionamento com cada cliente e planejar novas etapas de venda com muito mais eficiência.

E não para por aí: os softwares investem em mobilidade e adaptação a diferentes dispositivos. Além do desktop e notebook, gestor e colaboradores poderão utilizar smartphones, tablets e demais dispositivos móveis para acessar os dados. É o processo de vendas da empresa sempre à palma da mão.

Conhecendo seu produto, sua empresa e seu cliente, fica fácil iniciar o planejamento. Gostou das dicas? Restou alguma dúvida? Conte pra gente nos comentários!

Uma boa gestão de vendas garante que o negócio possa manter-se competitivo e capaz de buscar novos mercados sempre. E, com o auxílio de soluções em software, ele também pode gerar mais competitividade para si por meio de um atendimento mais inteligente e conectado às necessidades de seu público-alvo.

Uma das soluções que podem ser adotadas para atingir esse objetivo é o software de gestão de vendas. Ele centraliza rotinas, reduz custos e permite que a companhia atue de maneira estratégica na hora de buscar novas oportunidades de negócios.

Confira abaixo como as soluções em software podem melhorar a competitividade da sua empresa! Boa leitura!

O que é um software de gestão de vendas?

O software de gestão de vendas é uma solução de software que pode ser utilizada pelo negócio para otimizar a sua rotina operacional, reduzindo custos, melhorando a sua competitividade e promovendo a sua capacidade de atender a demandas do mercado.

Ele é uma ferramenta que pode ser integrada a todos os processos de vendas, centralizando o local para a realização de rotinas, como a emissão de notas fiscais e o controle da entrega de produtos e de rotinas de relacionamento com o consumidor. Assim, a companhia terá processos mais precisos e livres de erros.

Investindo em um software de gestão de vendas customizado, a companhia pode adotar uma ferramenta totalmente moldada para o seu perfil. Ela terá funcionalidades capazes de gerar um grande diferencial competitivo para a companhia, que poderá atuar de maneira estratégica no atendimento a seus consumidores e parceiros comerciais com soluções inovadoras.

Soluções em Software: Quais as suas vantagens?

As soluções em software podem ter um papel-chave para que o negócio consiga manter-se competitivo. E, com um sistema de gestão de vendas, a empresa pode gerar mais competitividade por meio de rotinas mais inteligentes e eficazes. Confira as vantagens dessa ferramenta abaixo!

Emissão de documentos mais ágil

Com um software de gestão de vendas, a empresa pode reduzir prazos e erros na hora de emitir documentos fiscais. Dessa forma, o empreendimento terá uma rotina tributária mais eficaz e evitará erros e prejuízos. Além disso, o tempo de entrega dos produtos cairá, dando mais competitividade para o negócio.

Melhora no planejamento

Conhecendo os fluxos de vendas, a empresa pode melhorar o seu planejamento de médio e longo prazo. O gestor terá mais dados para construir uma rotina e um conjunto de estratégias de mercado capazes de evitar riscos, reduzir prejuízos e maximizar a capacidade de a companhia criar oportunidades de vendas.

Controle de estoque mais eficaz

O controle de estoque também pode ser otimizado por meio do software de gestão de vendas. Com mais integração entre áreas, a companhia conseguirá controlar melhor a compra de matéria-prima e o seu planejamento de médio e longo prazo. Além disso, as áreas de logística e armazenamento atuarão lado a lado para evitar atrasos na entrega de produtos, garantindo a manutenção da lucratividade da companhia.

Como tornar os negócios mais inteligentes e competitivos?

O uso de soluções em software na área de vendas pode ter um papel-chave para que negócios consigam atingir os seus objetivos de médio e longo prazo. Com as ferramentas, como o software de gestão de vendas personalizado, conforme as necessidades da empresa, poderão ser criados fluxos de trabalho mais eficazes, otimizando o planejamento e reduzindo custos.

Além disso, o empreendimento terá mais mecanismos para controlar as suas rotinas e os dados utilizados para definir estratégias de mercado. Dessa forma, a companhia pode adotar um planejamento mais eficaz e capaz de gerar lucros a médio e longo prazo.

Gostou do nosso post sobre soluções em software e quer saber mais sobre como elas auxiliam a sua empresa a atingir metas? Então assine a nossa newsletter para receber as nossas dicas! Vamos lá!

Engana-se o empreendedor que pensa que o departamento de vendas tem como única função aumentar o faturamento. Não está menos errado o gestor que destina o marketing somente para realizar a prospecção de clientes. Os dois setores têm mais em comum do que as empresas tendem a imaginar, e colocá-los para trabalhar juntos pode otimizar os resultados de ambos.

Quer aprender a alinhar a equipe de marketing e vendas a favor do sucesso da organização? Então você veio ao lugar certo. Veja nossas dicas!

Vendarketing: o que é?

Os avanços constantes no campo digital permitem que as organizações simplifiquem os seus processos. Nos contextos extremamente tecnológicos em que os novos empreendimentos estão inseridos, não é de se surpreender que a aposta nas soluções automatizadas aumente a cada ano.

Por mais que essa alternativa facilite o trabalho, certos desafios internos das corporações só podem ser solucionados com a integração de departamentos. Se você passeia por sites em inglês, provavelmente já esbarrou no termo smarketing, que propõe justamente essa fusão entre os interesses e planos de ação de dois setores essenciais da empresa.

A denominação em inglês, que vem da junção dos termos sales e marketing, já ganhou sua versão no português: vendarketing, proposta que pode parecer curiosa à primeira vista, mas que promete elevar a competitividade da empresa. Isso porque pensar que a função do setor de marketing é apenas criar campanhas mirabolantes que depois serão postas em prática pela equipe de vendas é coisa do passado!

Unir os dois setores por meio do alinhamento de suas métricas e de seus objetivos e processos tem tudo para dar certo, mas ainda não é prática frequente nas empresas brasileiras. Em pesquisa conduzida pela Corporate Executive Board, os resultados são preocupantes: 87% das palavras utilizadas pelos dois departamentos para descreverem um ao outro são adjetivos negativos.

O time de vendas é chamado de “preguiçoso” e “pouco informado”, enquanto o de marketing é denominado “sem relevância” ou “acadêmico demais”. O vendarketing vem para romper esse muro que divide a comunicação entre os setores e alinhar seus interesses.

Quais as vantagens?

Em vez de os dois departamentos mirarem apenas suas tarefas específicas, ao alinhar a equipe de marketing e vendas, os colaboradores passam a ver a organização como um todo. Apostando no vendarketing, a empresa cria um sentimento de cooperação entre setores que costumam atuar separados e gera mais consciência sobre os resultados finais de cada estratégia.

Se os objetivos e as ações das áreas andam pareados, evitam-se as falhas nos processos. Mantendo a cooperação como parte da cultura empresarial, os planos de atuação da marca se fortalecem, permitindo fazer a prospecção do maior número possível de consumidores.

Vamos pensar: o intuito final do departamento de marketing é converter o cliente potencial em comprador fiel. Já na área de vendas, a estratégia não é bombardear o consumidor com produtos, é de analisar sua problemática e ofertar uma experiência de compras particular e satisfatória.

Quando os dois setores se unificam, não é só a empresa que ganha com a atração de um grande volume de compradores, mas também o consumidor, que lucra com uma experiência moldada às suas necessidades. Caminho certo para criar uma carteira de clientes fiéis!

Como alinhar a equipe de marketing e vendas?

Tendo em vista as inúmeras vantagens obtidas ao alinhar a equipe de marketing e vendas, você já deve estar se perguntando como implementar essa cultura na sua empresa. A boa notícia é que a adoção da estratégia não é das mais complicadas, mas exige determinação.

1. Entenda o funil de vendas

O primeiro passo é analisar a posição de cada departamento no pipeline da companhia. Se você não está habituado ao termo em inglês, talvez o conheça como funil de vendas. Ambos os departamentos encontram-se no mesmo funil, porém o marketing atua no topo e no meio, angariando informações sobre os consumidores e causando atração, enquanto as vendas estão no fundo do pipeline.

O setor de vendas fará uso das informações obtidas pelo marketing para traçar experiências de compra destinadas às particularidades de cada consumidor. A partir dessa análise, podemos continuar a implementação do vendarketing.

2. Abra a comunicação

O grande erro das empresas que ainda trabalham nos moldes antigos é a falta de integração da comunicação. Para adotar o vendarketing, essa barreira deve ser deposta, e, por isso, o gestor precisa investir na comunicação de mão dupla entre os colaboradores.

O ideal é que os times de marketing e de vendas possam falar diretamente um ao outro, diminuindo ao máximo os ruídos de comunicação nesse trâmite.

3. Trace estratégias conjuntas

É hora de aproveitar os resultados dos dois primeiros passos da implantação. Agora que você entendeu a posição de cada departamento no funil de vendas e permitiu a comunicação entre eles, ambos podem traçar estratégias conjuntas.

Se a equipe de vendas desenvolve seus planos de ação sem a presença do grupo de marketing, não só os objetivos mas também as práticas da empresa podem soar controversas ao consumidor, faltando o alinhamento.

O ideal é que ambos os setores conheçam a fundo os princípios e o posicionamento de mercado da organização, para que, então, definam objetivos comuns, metas e bonificações, caso os resultados esperados sejam conquistados.

4. Compartilhe dados

Ao alinhar a equipe de marketing e vendas, elas passam a atuar sob os mesmos princípios. Por isso, todos os dados precisam ser partilhados entre essas equipes. As informações angariadas acerca dos clientes pelo setor do marketing devem chegar aos colaboradores responsáveis pelas vendas.

Tudo o que for pesquisado sobre o prospect, como gostos, tíquete médio, frequência de compra, linguagem e problemática, deve ser encaminhado para o grupo de vendedores da companhia.

5. Aplique a tecnologia

Se compartilhar dados em tempo real otimiza o vendarketing na empresa, não é saudável para a organização adotar processos analógicos de partilha, certo? É aqui que a tecnologia presta socorro e permite uma comunicação eficaz e instantânea.

Com a adoção de um software para salvar e compartilhar dados, a corporação consegue proteger as diversas informações que circulam diariamente dentro da companhia, e os colaboradores podem partilhá-las sem complicações.

Alinhar a equipe de marketing e vendas é o caminho para levar sua empresa ao sucesso! Nesse percurso, adotar estratégias bem definidas e tecnologia de ponta é um acerto. Para isso, não deixe de estar sempre atento aos avanços da transformação digital!

Profissionais que atuam nas áreas comercial e de gestão de vendas devem atentar para os benefícios do inbound sales na hora de atrair novos clientes e fidelizá-los.

Nem todos os vendedores ou gerentes comerciais, no entanto, conhecem bem a essência do inbound sales e, por isso, acabam não aplicando essa importante técnica da maneira correta, perdendo, assim, a chance de obter resultados muito melhores.

Neste post, vamos falar sobre o tema e abordar as vantagens que essa metodologia pode trazer para toda a equipe comercial. Ficou interessado? Continue a leitura para conferir!

O que é o inbound sales?

Para entender a lógica da técnica de vendas inbound sales, antes de mais nada, é preciso se colocar no papel de consumidor e buscar interpretar as situações a partir dessa ótica.

Uma vez feito isso, pense: não é bastante incômodo quando alguém tem uma abordagem agressiva de vendas e insiste em oferecer produtos de maneira direta e insistente? Se a sua resposta foi positiva, então você consegue entender a essência do inbound sales.

Isso porque essa técnica de vendas é baseada em uma abordagem indireta, que procura conduzir o cliente gradualmente à compra, usando, para isso, um conjunto de ferramentas de marketing de conteúdo em diversos canais: blogs, redes sociais, e-books, vídeos, podcasts, etc.

O objetivo do inbound sales vai além de somente capturar a atenção e atrair novos leads (clientes em pontecial), é também o de nutrir essas pessoas para que as informações fornecidas a elas sejam capazes de convencê-las a optar pela sua empresa e fechar o negócio.

No entanto, diferentemente do que é feito nas iniciativas tradicionais de vendas (rádio, TV, telemarketing, entre outras abordagens), o cliente é impactado de maneira natural, por meio de técnicas alinhadas de marketing digital, tornando o processo de vendas bem mais eficiente.

Benefícios do inbound sales

Vender é um processo que exige dedicação, empenho e estratégias, por isso, quanto mais recursos e técnicas o vendedor dominar, maiores serão as chances de sucesso e cumprimento das metas estabelecidas, sejam individuais, sejam coletivas.

Entre os diversos benefícios oferecidos pelo inbound sales é que ele é uma estratégia com ações integradas entre a equipe de marketing e o departamento comercial, isto é, quando cada novo lead chega, os vendedores internos poderão fazer o primeiro contato.

Em muitos casos, o lead já vem tão qualificado ― devido a todas as informações previamente oferecidas ― que a abordagem ocorre de forma muito mais rápida e fácil, diminuindo as chances de fracasso na venda.

Outro ponto relevante é a otimização do tempo, uma vez que a maioria dos leads gerados já terá interesse real no produto, o que acaba contribuindo consideravelmente para o aumento da produtividade da equipe como um todo.

Relação entre inbound marketing e inbound sales

Para alcançar sucesso nas vendas, o indicado é traçar uma estratégia que alie inbound marketing com inbound sales.

Explicando melhor: tendo como principal objetivo oferecer o conteúdo ideal e na hora certa para a persona, o inbound marketing produz materiais que vão orientar o lead por todas as etapas do funil de vendas, preparando-o gradualmente para realizar a compra.

Quando o inbound marketing desempenha seu papel de maneira eficiente, o lead chega ao vendedor já preparado para comprar. Caso ele ainda não esteja 100% convencido, é possível oferecer mais conteúdos relevantes para que ele finalmente chegue a essa conclusão.

Uma estratégia de inbound sales que não faz uso do inbound marketing é até possível de ser implementada, porém desaconselhável, uma vez que os resultados tendem a não ser tão significativos do que quando ambas as técnicas são aplicadas juntas.

Vendas inbound versus vendas outbound

Enquanto o inbound marketing tem suas estratégias voltadas para o digital, o outbound marketing concentra suas atenções na venda direta, por meio de ligações telefônicas e outras ações dos profissionais de vendas.

Muitas pessoas têm dúvidas sobre qual estratégia é a mais eficiente. A verdade é que as duas podem apresentar bons resultados quando usadas de maneira correta: enquanto o inbound marketing visa a atrair novos possíveis compradores e conduzi-los por todo o funil de vendas, preparando-os para a compra, no caso do outbound a ação é mais particular e pode funcionar bem para casos mais específicos e/ou públicos segmentados.

O ideal é aliar as 2 técnicas para conseguir atingir o máximo de leads possível e estar sempre preparado para oferecer os melhores processos de venda e atendimento a todos os clientes.

Dicas para implantar inbound sales na sua empresa

Como dissemos, a técnica inbound sales pode trazer impacto bastante positivo sobre as vendas de uma empresa, uma vez que facilita muito o trabalho de prospecção e traz leads qualificados e praticamente prontos para o fechamento do negócio. Para conseguir implantar o inbound sales no seu departamento comercial, adote medidas como:

  • tenha um plano de vendas definido;
  • dê suporte ao lead durante toda a jornada de compra;
  • prepare sua equipe de vendas para identificar e auxiliar o lead;
  • mantenha a equipe de marketing integrada à equipe de vendas, para que ambas contribuam para a definição da estratégia a ser adotada e se beneficiem do trabalho em conjunto;
  • treine sua equipe de vendas para que ela seja capaz de identificar, qualificar, conectar e aconselhar adequadamente o lead, de acordo com cada etapa da jornada de vendas, fazendo com que a relação seja cada vez mais relevante e significativa para quem compra;
  • busque oferecer ao lead uma solução que resolva seu problema com eficiência, o que não só vai deixá-lo satisfeito, como também estimulará a fidelização daquela pessoa e aumentará as chances de que ela indique sua empresa para seus amigos e familiares.

Neste post, falamos sobre a importância do inbound sales para aumentar as vendas e otimizar os resultados de toda a equipe comercial. Quando aplicado de maneira estratégica, esse é um importante recurso, com reflexos positivos mensuráveis no desempenho dos negócios.

Se quiser saber mais sobre o assunto, aumentar seu conhecimento e se diferenciar da concorrência, confira nosso post “Ciência de dados: saiba como se sobressair à concorrência”!